Segunda-feira, 18.05.09

 

Na Saga Twilight de Stephenie Meyer, uma popular série de romances com quatro livros para jovens adultos, a protagonista Bella Swan - por todas as contas uma normal rapariga humana -  tem dois pretendentes. Um é o bela e inimaginável vampiro, Edward, o outro um leal e dedicado lobisomem, Jacob. Os adeptos dos livros, e agora de uma versão de filme, muitas vezes acabam divididos em "equipas", alinhando-se com o jovem que esperam que Bella escolha no final: Team Edward ou Team Jacob.
 
Mas alguns jovens leitores perguntam, "Porque não Team Bella?" talvez porque a resposta é muito clara: não pode haver Team Bella. Mesmo que Bella seja ostensivamente uma heroína, na verdade ela é apenas um objecto do mundo de Crepúsculo.
 
Na superfície, a saga Crepúsculo parece ter algo para agradar a todos. Mães estão a ler os livros e a delirar com Edward ao lado das suas filhas adolescentes. Bibliotecários e professores estão satisfeitos por ver os alunos com suas cabeças agarradas em livros, e desde que a romântica sensualidade de Crepúsculo é embrulhada numa mensagem de abstinência, todos os beijos e agarranços parecem ser inofensivos.
 
Mas enquanto Twilight é ostensivamente uma história de amor, passe a superfície e encontrará um conto alegórico sobre os perigos da sexualidade feminina não regulamentada. Desde o primeiro beijo entre Bella e Edward, ela está a lutar para controlar o seu despertar da sexualidade. Edward deve restringi-la, por vezes fisicamente, de forma a não perder o controlo, e ele frequentemente a recrimina quando ela se torna, na sua opinião, demasiado apaixonada. Há quem possa aplaudir a representação de um homem jovem mostrando essa auto-restrição, mas não deve ser a decisão sobre quando um jovem está pronto para avançar sexualmente ser algo feito em conjunto?
 
Bella é também descrita como tendo a necessidade de alguém que a tome a seu cargo, alguém para cuidar dela. Edward não é apenas protector, embora, mas muitas vezes demasiado protector de Bella. Edward tem ciúmes da relação de Bella com os outros rapazes, indo tão longe como desactivar o seu carro para a manter em casa. Ele é condescendente, supondo que sabe o que é melhor para ela em cada situação.
 
Talvez seja difícil para Edward ver Bella como uma igual, porque Bella quase não tem personalidade. Meyer escreve no seu site que ela "deixou de lado uma descrição pormenorizada de Bella no livro de modo a que o leitor pudesse mais facilmente pôr-se na sua posição." Mas Meyer falha em não dar a Bella muito de uma vida interior; Bella é uma tábua rasa , com poucos pensamentos ou acções que não se centrem em Edward. Se Meyer espera que os leitores se vejam a si próprios como Bella, o que é que ela está a sugerir a eles sobre o significado das suas próprias vidas?
 
Meyer também insiste em que ela vê Bella como uma personagem feminista, já que a fundação do feminismo é a possibilidade de escolher. O que Meyer não está a reconhecer é que todas as escolhas que a Bella faz são as escolhas de Meyer - escolhas baseadas nas suas crenças de fundo Mórmon.
 
Em Breaking Dawn, o último livro da série, Meyer finalmente permite a subordinação da Bella a acabar quando ela assume o seu devido lugar: na estrutura patriarcal. Quando Bella se torna uma esposa e mãe, Meyer permite receber o desejo do seu coração –o de viver para sempre do lado de Edward, de ser quase naturalmente linda e graciosa, de ser forte e ser capaz de se defender.
 
A saga Crepúsculo tornou-se algo como um fenómeno de vínculo entre mães e filhas. Mas ler os livros em conjunto e mutuamente adorar Edward não é suficiente. Como influentes adultos, as mães (e, por extensão, os professores e bibliotecários) têm a obrigação de iniciar uma conversa relativa aos temas mais escuros e à anti-retórica feminista nesses contos. Há muito para trabalhar, contra os perigos de perder-se numa relação obsessiva com a realidade da sexualidade de cada um.
 
A versão do fime Crepúsculo da realizadora Catherine Hardwicke mantém-se fiel ao romance, mas há alterações subtis que tornam muito mais feminista. A Bella de Kristin Stewart é mais sincera e franca, e o Edward de Robert Pattinson é bem menos condescendente e arrogante. A sua relação parece ser construída sobre a igualdade e amizade, e inclui cenas de mútua frustração sexual e de moderação. Aqui está uma Bella que aceitamos, uma Bella, que fica um pouco mais sobre os seus principios e é uma parte da acção. Será interessante ver se o próximo filme da série Crepúsculo, a ser dirigido por um homem desta vez, Chris Weitz, terá um caminho semelhante. Ou, mais uma vez, Bella será deixada mais uma vez sem uma equipa própria?
Fonte


Joana TP às 23:15 | link do post | comentar

5 comentários:
De Kris a 18 de Maio de 2009 às 23:29
Incrivelmente, eu até concordo parcialmente... Ainda não li os livros todos mas acho que a Bella é de facto um quanto ou tanto controlada pelo Edward, enquanto que no filme a Kristen representa uma Bella mais forte, mais agressiva, até certo ponto...

Se bem que eu gosto da história como ela é e até à parte que li não tenho mais nada a apontar...


De Bia PATTINSON a 19 de Maio de 2009 às 00:10
Eu acho que nao faz muito sentido, crepusculo gira à volta da Bella, e ela é descrita, timida, reservada, sem muita auto-estima .. E essa descriçao é feita, so que o principal é que ela está tao apaixonada pelo Edward que ela vive para ele, vive por ele.
E team Bella? Com fundamento no que? Na melhor personagem? Porque Team Edward e Team Jacob tem fundamento em escolher o que as pessoas acham que devia ficar com Bella, e ja que ambos lutam por ela, o que as pessoas acham que é o melhor.. É a minha opniao-


De Lady R. a 19 de Maio de 2009 às 00:11
chegando ao Eclipse há uma team Bella - Team Switzerland, como a própria personagem se intitula. A Neutralidade que permite ter tudo.

Não concordo que Bella seja uma tábua rasa: é uma mulher apaixonada que se completa muito com o ser amado e por isso cede algo de si na relação. Também Edward parece ser assim, a menção à sua "alteração" é frequente da parte da familia dele. Mas BElla é teimosa, obstinada e segue os seus principios à lei da bala. não chamaria isto uma moça sem personalidade...


De Marlene a 19 de Maio de 2009 às 10:48
Ainda bem que a Kristen deu força a Bella.
Desta Bella eu seria adepta obviamente, pq discordo completamente que ela não tenha personalidade e seja controlada pelo Edward, a mim parece-me até que foi ela que o controlou.....


De Vampiire a 19 de Maio de 2009 às 13:06
A Bella tem personalidade , e' apaixonada e luta por aquilo q quer , nao e' absolutamente nada uma rapariga controlada pelo Edward ou assim .


Comentar post

status

Online desde:25.04.2008

Contador: hits

Staff do TP: And, Carolina
layout: MissangaAzul


Contactos


em todos os momentos twilight


Já nos deste o teu like?
pesquisar neste blog
 
Links vários
comentários recentes
Nova tatuagem?
sai o divórcio no museu antes de no papel :D
É interessante ver Michael Sheen em um papel difer...
Obrigada!
Obrigada! Sê bem-vinda :)
Oi, sou do Brasil e sou nova por aqui, estou amand...
Não sabia que se conheciam, a St.Vincent faz parte...
Corrigido, obrigada :)
Sabe tão bem voltar a ver fotos dele em ação. Uma ...
A foto não tem dia específico. É de ''há alguns di...

Arquivo
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


2003:

 J F M A M J J A S O N D


2002:

 J F M A M J J A S O N D


2001:

 J F M A M J J A S O N D


2000:

 J F M A M J J A S O N D


1999:

 J F M A M J J A S O N D


1998:

 J F M A M J J A S O N D


1997:

 J F M A M J J A S O N D


1996:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds