Sábado, 25.10.08

A Noticontactos tem uma entrevista muito interessante com Robert Pattinson durante a sua estadia no México.

rpattz

 

 Robert Pattinson: O vampiro que teme a fama

Cidade do México – O actor inglês Robert Pattinson, que saltou para a fama depois de ter interpretado Cedric Diggory, o rapaz bonito de Hogwarts em Harry Potter e o Cálice de Fogo, visitou a cidade do México para promover o seu mais recente filme Crepúsculo.

 

Nesta adaptação do bestseller de Stephenie Meyer realizado por Catherine Hardwicke e protagonizada por Kristen Stewart, Robert Pattinson encarna Edward Cullen, um jovem misterioso e encantador que vive pela primeira vez o amor verdadeiro, mas com um grande defeito: ele é um vampiro e a mulher por quem está apaixonado é mortal e ele quer o seu sangue. Na entrevista, o actor confessou-nos as dificuldades de interpretar o ‘homem perfeito’.

 

 

É a tua primeira vez no México?

Sim, é a primeira vez. Ainda não vi nada, mas estou a gostar… gosto do hotel (risos)

 

Diz-me a experiência mais divertida ou engraçada com uma fã.

Não sei, a maioria das pessoas que se aproximam de mim são muito amavéis. Provavelmente no Comic-Con de San Diego, porque havia mais de 7000 pessoas no público e até esse momento não fazia ideia do quão grande era Crepúsculo. Subi ao palco e as pessoas começaram a fritar cerca de 45 minutos. Foi o mais estranho que me aconteceu.

 

Dizes isso porque ainda não viste as fãs mexicanas…

Sim, também aqui no aeroporto foi bastante impressionante.

 

Crepúsculo leva clássicos elementos de um filme de vampiros, o que achas das actualizações?

A história está situada no mundo real e não em situações tradicionais com vampiros, com medo de alho ou beber sangue. O vampirismo em Crepúsculo é mais como uma doença do que algo com que se nasce, parece ser algo mais negativo. Penso que isto o torna diferente das outras histórias…bem, talvez não seja diferente (risos), mas em Crepúsculo são simplesmente pessoas normais, eu acho.

 

Que parte de ti pensas que se assemelha a Edward Cullen?

Realmente não sei, suponho que ele tenha muitas dúvidas sobre si mesmo e não ser bom o suficiente com as pessoas com que se relaciona, coisas assim. Identifico-me com isso.

 

E o lado da sedução vampírica… és tão sedutor como Edward?

Não, não de todo. (risos)

 

Qual é a tua táctica para conquistares as raparigas?

Isso seria dar-te o meu segredo (risos) Bem não, na verdade não digo nada em particular.

 

O que representou para ti como actor o desafio desta personagem?

É um meio muito interessante, porque todas as pessoas que leram o livro colocaram num pedestal esta personagem, é muito importante para eles. Embora seja uma personagem fictícia, é quase impossível fazer o seu papel… a forma como ele agem como se comporta e como vê… tudo muito perfeito. É um grande desafio.

 

Já alguma vez estiveste envolvido numa situação tão intensa como a de Edward e Bella?

Hmmmm, realmente não.

 

Talvez não com uma rapariga, mas com um amigo ou familiar?

Uma vez tive uma relação bastante intensa com uma namorada… não tão intensa como esta, mas era muito difícil no momento em que estava com ela.

 

Acreditas em vampiros?

Acho que não…não acredito em vampiros.

 

O que achas que fascina as pessoas pelos vampiros?

Acho que tem a ver com o poder que têm. Eles são imortais, e muito fortes em comparação com o homem comum e isso torna-os atractivos, mas ao mesmo tempo são completamente indefesos, sem o humano normal.

 

Se pudesses mudar alguma coisa na história de Crepúsculo, o que seria?

Eu não sei. Quando algo já existe, tudo o que pensas é entender cada passo da história. Gosto de tentar compreender as etapas pelas quais a história avança, em vez de tentar mudá-la. O que eu gostava de fazer no filme era que Edward e Bella nunca se tocassem, nunca… mas não me deixaram fazer isso. (risos)

 

O que nos podes dizer sobre ‘Never Think’, a tua canção na Banda Sonora de Crepúsculo?

É só uma canção… bem, nem sequer está terminada ainda, para ser honesto.

 

E já é aguardada com grande expectativa por todos…

Eu sei, na verdade isso assusta-me muito. Achei que era muito engraçado, porque a realizadora tinha um disco com coisas que eu tinha gravado no computador no ano passado e perguntou-me se podia incluir a minha música na Banda Sonora e eu disse que sim. E agora é um grande evento e parece que estou a tentar começar uma carreira como músico e eu penso –não, de forma alguma. Há outra canção que faz parte do filme, e penso que também estará na Banda Sonora como um ‘bónus’, que aparece num ponto muito importante do filme e acho que isso faz a cena melhor.

 

Gostas de filmes de terror?

O meu filme favorito é o ‘Exorcista’.

 

Porquê?

Porque é um dos filmes mais originais que já vi e uma das melhores actuações. Tem a Ellen Burcken…não, não a Ellen Burcken, a Ellen Burstyn… enganei-me na Ellen. (risos)

 

O que podes dizer-nos da tua personagem como Dali em ‘Litlle Ashes’? É um papel muito diferente dos outros, e ele é um dos fundadores do Surrealismo… Existe algo surreal na tua vida ou sentes-te identificado com esta personagem?

Filmei-o antes de Crepúsculo, dois meses antes, mas foi significativamente diferente de tudo o que tinha feito. Senti que não entendia por que tinha conseguido esse papel, não tenho nada a ver com ele, mas depois comecei-me a atormentar com o papel. Todos os membros da produção eram espanhóis e conheciam-no, eu não posso falar espanhol, a única coisa que podia fazer era ler livros sobre Dali todos os dias e comecei a sentir afecto por ele depois disso. Penso ainda que por alguma razão se tornou num homem muito estranho, sinto-me muito identificado com a forma como ele era em jovem, comecei-me a ver um pouco mais como ele no filme, o que é um pouco estranho.

 

O que gostaste mais, interpretar Edward Cullen ou Dali?

Eles são muito diferentes. Para o filme de Dali tive que investigar muito e foi um grande esforço. Em Crepúsculo também tive de investigar também e estas foram as duas primeiras personagens que tive de aprofundar realmente. São muito diferentes um do outro, mas tento dar a cada um o interesse que merecem. Acho que aprendi muito com estes dois filmes, e acho que podes fazer qualquer papel, desde que te esforces muito e o faças o mais interessante possível.

 

Podes falar-nos sobre a tua surpresa pela fama que tiveste depois de Harry Potter e agora com este novo filme, Crepúsculo?

Com Harry Potter sabia de alguma maneira que seria assim, porque era algo grande antes de eu participar, mas com Crepúsculo não fazia ideia que era tão grande, e foi ficando cada vez maior, enquanto estava a filmar.

 

Tens medo de perder alguma coisa devido à fama?

Sim, tenho medo. É estranho quando não podes ir a certos lugares que costumavas ir, porque é tudo muito diferente, tudo se sente diferente. De repente as pessoas olham para ti e pensas –Ok, já não posso fazer coisas estúpidas-, isso é sempre chato. (risos)

 

Claro que podes…

Gargalhadas

 

Preocupa-te que te marquem com o papel de Edward Cullen como aconteceu com Daniel Radcliffe com Harry Potter?

Não, acho que é impossível que me marquem com este papel, é demasiado específico e quando acaba, acaba-se. Espero que não me marquem com esta personagem, mas não acredito que isso aconteça.

 

O que te agrada mais na representação em geral?

Gosto de poder empenhar-me totalmente numa coisa; podes criar um mundo no qual queiras viver e podes criar a pessoa que queres ser num momento. É interessante, não tenho muita ‘vida’ fora do meu trabalho, por isso é bom para sentir que tens algo que fazer. (risos)

 

Se não fosses actor, ao que é que te dedicarias?

Gostava de ter sido um pianista ou escritor de discursos políticos.

 

Quais são os teus próximos projectos? A fama ajuda-te no que escolheres no futuro?

Sim, mas tendem a oferecer-me muitos papéis que são exactamente iguais ao de Crepúsculo, mas vou fazer um pequeno projecto independente no próximo ano e outras coisas que não posso falar ainda.

 



Patrícia_TP às 23:05 | link do post | comentar

2 comentários:
De denise a 26 de Outubro de 2008 às 11:12
já sabia k o rob é um munino bonito cm os pés bem assentes na terra =D


De Billie a 26 de Outubro de 2008 às 12:20
Bem... para ser honesta, nesta entrevista parecia... antipatico?

Bem deve ser so' impressao minha... espero ^^
ainda nao sei muito sobre ele, começei a achar mais piada depois de saber que ia fazer o filme Twilight
Realmente fica mesmo muuito bem como Edward *.* com cada olhar! Gott x)


Comentar post

status

Online desde:25.04.2008

Contador: hits

Staff do TP: And, Carolina
layout: MissangaAzul


Contactos


em todos os momentos twilight


Já nos deste o teu like?
pesquisar neste blog
 
Links vários
comentários recentes
Maravilhoso!!
Alegria define em ver essas fotos <3
Como é bom ver fotos atualizadas desse homem marav...
Ok, muito obrigada! <3
Que máximo! Eu queria muito a tradução dessa parte...
Tão fofo!
Sorriso lindo!!
Não sei o que pensar quando vejo esses dois juntos...
Uau! Gostaria de ter participado desse leilão, que...
Boa noite,Não consegui arranjar a entrevista legen...

Arquivo
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


2003:

 J F M A M J J A S O N D


2002:

 J F M A M J J A S O N D


2001:

 J F M A M J J A S O N D


2000:

 J F M A M J J A S O N D


1999:

 J F M A M J J A S O N D


1998:

 J F M A M J J A S O N D


1997:

 J F M A M J J A S O N D


1996:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds