Quarta-feira, 07.09.11

"Angel Of Mine"

Capítulo 14 - Ciúmes

 

 

 

 

 

Edward, tal como prometera, veio buscar-me na segunda-feira de manhã para que fossemos juntos para a escola.
Levantei-me um pouco mais cedo que o habitual devido a ansiedade. Tomei um duche demorado e vesti os meus jeans preferidos junto com uma camisa xadrez.
Dirigi-me à cozinha cantarolando baixinho, estava extremamente contente, e não conseguia evita-lo.
Preparei o meu pequeno-almoço e o de Jacob, que chegou à cozinha com o seu ar carrancudo. Desde Sábado à noite que ele andava ainda mais aborrecido do que era normal. Para ser sincera, por mais que desse voltas à cabeça, ainda não compreendia o que se tinha passado exactamente no meu quarto naquela noite, quando Jacob entrou. Edward tinha ficado estranho com a presença dele, não havia como nega-lo, e Jacob, mesmo não conhecendo Edward ainda, parecia ter pressentido qualquer coisa, pois o seu mau humor tinha aumentado exponencialmente desde aquele momento.
Deixei todas essas ideias de lado, não ia deixar que nada entrasse no caminho da minha recente relação com Edward, qualquer que fosse o problema daqueles dois, teria de ser resolvido mais tarde.
Acabamos o pequeno-almoço em silêncio, faltavam poucos minutos para o inicio das aulas e Edward ainda não tinha aparecido. A minha animação começou a esmorecer, será que ele se tinha esquecido?
Jacob esperou até estar mesmo em cima da hora, como sempre, disse-me um adeus que mais pareceu um grunhido e saiu.
Dirigi-me até à janela da sala e espreitei lá para fora, não havia ainda sinal do volvo prateado de Edward. Comecei a pensar seriamente na hipótese de Edward se ter mesmo esquecido, mas poucos segundos depois do Volkswagen de Jacob ter desaparecido na curva, o volvo apareceu no lado oposto. Enquanto apanhava rapidamente as minhas coisas e saía em direcção à rua, considerei a hipótese de Edward ter estado à espera que Jacob saísse para aparecer. Porém, todas essas dúvidas e teorias se dissiparam assim que me aproximei dele, um modelo de perfeição, que como sempre me esperava com a porta aberta, e com o sorriso mais belo que eu já lhe vira.
Aproximou-se de mim e deu-me um beijo breve nos lábios. Quase já me tinha esquecido da sensação que os beijos dele me provocavam, como se a qualquer momento eu pudesse explodir de tanto amor.
- Bom dia. – Disse-lhe ainda com a respiração ofegante.
- É de facto um bom dia. – Sorriu, e beijou-me na testa.
Já estávamos atrasados para a primeira aula, por isso ele conduziu com ainda mais velocidade do que o costume. As pequenas casas da cidade pareciam meras sombras de cor indistintas. Se fosse qualquer outra pessoa ao volante, eu estaria neste momento num estado de pânico. Mas não conseguia sentir-me assustada. Algo dentro de mim não me permitia sentir medo, como se não houvesse lugar no mundo mais seguro para mim, do que ao seu lado.
Chegamos rapidamente à escola, e quando olhei para o relógio, parecia que já não estávamos assim tão atrasados. Ainda havia muita gente no parque de estacionamento, e no momento em que descemos juntos do carro, todas as cabeças começaram, lentamente, a voltar-se para nós. Senti-me um pouco atarantada com toda aquela atenção, embora eu tivesse a perfeita noção de que ela não se diria a mim mas sim a Edward e ao facto de um rapaz como ele chegar à escola junto com uma rapariga como eu.
Tentei arduamente ignorar todos aqueles olhares confusos e invejosos, mas era difícil. Agarrei nas minhas coisas e comecei a arrastar as minhas pernas trémulas. Edward caminhava ao meu lado, e não mostrava qualquer sinal de embaraço.
Nunca aquele parque de estacionamento me pareceu tão amplo, parecia não ter fim, parecia ser constituído apenas por um número infinito de cabeças voltados para nos olhar. Olhei para ele pelo canto dos olhos, admirando verdadeiramente a sua confiança. Ele deve ter percebido o meu estado, e agarrou a minha mão com a sua. Senti as inseguranças esvaírem-se. Nada mais importava, a não ser ele. Por ele enfrentaria qualquer coisa, ultrapassaria qualquer obstáculo.
A descrença de Jéssica era bem visível, assim que passamos por ela e as suas amigas que comentavam e apontavam incrédulas.
Mesmo ao pé da entrada, sorridentes e alegres encontravam-se os Cullen que não pareciam, de todo, tão surpresos como eu esperava.
- Tomei a liberdade de informar a minha família da nossa relação. – Edward segredou no meu ouvido assim que nos aproxima-mos. - Achei que era mais fácil eles saberem o porque de chegarmos juntos hoje, ou iam sobrecarregar-nos com perguntas.
Cumprimente-os o mais normalmente possível, e eles fizeram o mesmo, embora eu conseguisse ver perfeitamente a ansiedade indisfarçável de Alice estampada no seu rosto pequeno.
Todos eles ficaram muito felizes com a notícia e as raparigas apenas me pediram, quando finalmente me apanharam sozinha, que mais tarde, em casa delas, lhes contasse todos os pormenores de como tudo tinha acontecido. É claro que nunca poderiam saber tais informações, por isso fui tratando de pensar em como contar a história, omitindo tudo o que se relaciona-se com a natureza do Edward.
As aulas da manhã passaram rápido, e ainda bem. Alice não tinha parado de me enviar pequenos bilhetinhos durante a primeira aula, sempre que apanhava o professor distraído, fazendo diversas perguntas sobre Edward e eu.
Quando nos dirigimos ao refeitório, encontramos os rapazes junto com Rosalie e outra rapariga, sentados na mesa do costume. Ao aproximar-me mais vimos que era Lauren, uma das amiguinhas de Jéssica que se debruçava de maneira provocadora junto de Edward. Quando eu e Alice chegamos, ela soltou um risinho cínico e foi juntar-se às amigas.
- O que é que esta queria? – Perguntou Alice de forma cortante.
- Resumindo, ela queria saber o que se passa entre o Edward e a Bella. Queria arranjar mexericos. – Foi Rosalie quem respondeu, os rapazes limitaram-se a sorrir levemente.
- Aposto que estava a palpar terreno para a Jéssica, ela andava de olho no Edward. – Jasper riu um pouco mais. – Pode ser que assim se cale um bocado, não parava de me fazer perguntas sobre ti nas aulas de espanhol.
Sentei-me ao lado de Edward, e comi em silêncio. Sabia perfeitamente que Edward era alvo de cobiça por parte das outras raparigas, e eu não podia censura-las, mas não podia negar que me deixava desconfortável o facto de todas aquelas raparigas, todas elas mais bonitas do que eu, se sentirem atraídas por ele.
A campainha tocou, e parecia vir de muito longe, estava tão perdida nos meus pensamentos, que só quando Edward me tocou no ombro, é que voltei à realidade.
- Passa-se alguma coisa Bella? – Edward parecia preocupado.
- Não, porquê? – Tentei disfarçar as minhas inseguranças.
Não me respondeu, mas olhou-me de uma maneira penetrante, como se soubesse exactamente o que se passava.
Percorremos o caminho até à sala de aula de biologia em silencio.
A aula passou sem grandes dramas, tentei ao máximos prestar atenção em tudo o que o Professor dizia, para me manter distraída de outros assuntos.
À saída da aula, ao passar-mos pelo enorme corredor em direcção ao parque de estacionamento, mais cabeças se voltaram e mais garotas apontavam e cochichavam com azedume. Desejei ardentemente que houvesse nas proximidades algum buraco onde me pudesse enfiar. Não gostava de ser alvo de tamanha atenção.
Quando finalmente me encontrei na segurança do volvo, com os seus vidros ligeiramente fumados, senti um profundo alívio.
Olhei para Edward que se matinha aparentemente absorto de tudo aquilo. Mantinha o mesmo ar confiante desta manhã.
- Não te incomoda o facto de todas aquelas pessoas nos encararem daquela maneira?
- Porque havia de me incomodar? – Ele parecia genuinamente surpreso com a minha pergunta.
- Bem, suponho que já deves estar habituado a ter as raparigas a observar-te constantemente...
-São ciúmes que detecto na tua voz? – Agora parecia simplesmente divertido, como se tal facto fosse completamente ridículo.
Não lhe respondi, até porque não sabia o que lhe responder. Não tinha identificado o sentimento que me assolava desde esta manhã até ele o ter mencionado.
- Sabes perfeitamente que só te quero a ti. Ninguém mais me interessa, é a ti que eu amo, e é contigo que quero ficar.
Senti o meu coração palpitar subitamente. Ele tinha dito que me amava, com todas as letras.
- Edward, eu também te amo, muito.
Inclinei-me para ele, e beijei-o. Senti aquela típica corrente eléctrica que me percorria sempre que nos beijava-mos daquela maneira urgente, apaixonada. Esqueci completamente que ainda nos encontrávamos no recinto da escola até alguém bater no vidro do carro. Afastei-me de maneira automática, um pouco envergonhada, mas Edward não mostrava o mínimo sinal de embaraço. Baixou o vidro, consegui ver quem nos havia interrompido. Era Jessica.
Senti alguma raiva. Mas porque é que ela tinha feito aquilo?!
- Edward, era só para te avisar que amanhã temos avaliação a Educação física e por isso deveríamos treinar o ténis a pares, vai ser uma parte importante da nossa avaliação. – Falou tão rápido que demorei uns segundos a assimilar tudo o que ela havia dito. Tinha-me esquecido completamente dessa avaliação.
- Jessica, peço desculpa mas vais ter de arranjar outro par, amanhã vou jogar com a Bella.
Vi claramente o ar de nojo de Jessica estampado na sua cara redonda. Levantou uma sobrancelha e voltou a falar, desta vez mais lentamente.
- Edward, querido, não sei se estás a compreender. Os pares não podem ser mudados na última hora, o professor não permite.
- Jessica, ouve com atenção, não vais voltar a chamar-me querido, compreendes? – Vi o olhar de Jessica tornar-se vago e distante à medida que Edward falava com ela de forma fria. – E não vamos jogar ténis juntos nem amanha nem nunca, percebes-te? Alias, vais esquecer completamente tudo sobre mim, não vais sentir mais interesse ou fazer mais mexericos, sobre mim ou sobre a Bella. – Ela concordou com um gesto de cabeça completamente desprovido de sentimentos. Parecia completamente oca, vazia. - Agora vai te embora.
- Então adeus. – Disse ela de forma alegre novamente.
Olhei Edward completamente atónita.
- Eu não acredito que acabas-te de fazer isso!
- Ela mereceu, além do mais, pensei que quisesses que ela nos deixasse em paz.
- Sim queria, mas não precisavas de ter feito isso!
- Até podia não precisar, mas é assim que eu sou Bella, é esta a minha natureza.
Não sabia o que lhe responder. Sentia-me um pouco chocada pela sua atitude.
Ao ver que eu não lhe respondia, ele simplesmente arrancou com o carro em direcção a minha casa sem dizer nada.
Quando chegamos, lancei a mão rapidamente para abrir a porta, mas ele, como sempre, era mais rápido do que eu, e quando dei por ele já se encontrava do lado de fora com a porta aberta.
- Bella, peço desculpa se te desapontei, mas não queria que te sentisses insegura por causa dela, ou qualquer outra rapariga. Além de que já não tolerava mais os seus pequenos avanços.
- Edward eu não me quero chatear contigo. – Suspirei. Era verdade, apesar de ainda me sentir um pouco chocada, ele tinha razão numa coisa, esta era a natureza dele, e eu não podia muda-la. Já sabia que ele era diferente quando me deixei envolver, e não podia agora cobrar-lhe que fosse algo que não ele mesmo. – Só te peço que evites fazer essas coisas, principalmente à minha frente.
- Vou tentar. – Sorriu-me com o seu maravilhoso sorriso torto. Não conseguia chatear-me perante um sorriso tão deslumbrante como aquele.
- És incrível. – Acusei-o. – Como é que consegues tudo assim tão facilmente?
- Isso não é verdade, há algo que eu esperei dez anos para conseguir. – Acariciou-me a bochecha com a sua mão fria enquanto falava.
Senti-me corar um pouco.
- Edward é melhor entrar. – Comecei a caminhar em direcção à casa. Parei já junto da entrada e voltei-me para ele. – Vejo-te logo à noite?
- Claro que sim. Até logo.
Esperei do lado de fora da porta para o ver afastar-se até por fim desaparecer na mesma curva, onde de manhã o Volkswagen de Jacob tinha desaparecido.

 



Constança às 22:07 | link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

status

Online desde:25.04.2008

Staff: And e Carolina
Layout: Missanga Azul
em todos os momentos twilight


Já nos deste o teu like?
pesquisar neste blog
 
Links vários
comentários recentes
Eu venho cá todos os dias para ver o que há de nov...
Olá :) Pondo as cartas na mesa e sendo sincera ao ...
Olá! Vocês vão desativar a página...?
Que coincidência engraçada! Confesso-te que até ti...
Que orgulho!
As voltas que a vida dá, sem dar voltas nenhumas: ...
Queen sempre foi uma das minhas bandas de eleição....
Tudo corrigido. Obrigada :)
A foto é de dia 03 de Julho, na exposição de anive...
Sebastian Bear é o marido da Emily e produtor de "...

Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


2003:

 J F M A M J J A S O N D


2002:

 J F M A M J J A S O N D


2001:

 J F M A M J J A S O N D


2000:

 J F M A M J J A S O N D


1999:

 J F M A M J J A S O N D


1998:

 J F M A M J J A S O N D


1997:

 J F M A M J J A S O N D


1996:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds