Sexta-feira, 02.04.10

Podem ler aqui mais um capítulo da Fanfic da Sofia Antunes! O calendário deste mês já está pronto, mas não será colocado aqui.

Boas leituras!

 

 

Capítulo 5

 

Controlo

 

Edward não tirou os olhos de mim enquanto corríamos em direcção ao prado, pelo que me senti observada. Não percebia, se estava ridícula, ou se estava bonita, só quando Edward pegou em mim ao colo e me beijou é que percebi que ele gostou imenso da maneira como me vesti. ‘A Alice vai adorar, pode ser que a partir de agora deixe de me chatear com a moda’ pensei sorrindo.
Renesmee acompanhava-nos enquanto corríamos numa corrida calma e compassada.

- Mãe, estás muito bonita! – disse-me Renesmee
- Bonita é uma palavra bastante simples para definir como está a tua mãe hoje, eu diria linda ou magnífica.
- Edward, sabes como discordo disso! - resmunguei. 
- Ó meu amor, tens de te habituar, que agora és mais linda do que nunca. E por favor, deixa-te de ser pessimista, estás linda, ou melhor, és linda.

- Como queiras – disse entre dentes.
Edward sorriu-me e pegou na minha mão, fazendo-me parar. Parei ofegante e olhei para o chão com medo de o encarar.

Ela largou uma das minhas mãos e pegou-me no queixo, fazendo-me olhar para ele.

- Bella, és linda. E anseio ter de repetir isto tantas vezes, que até te estrague a beleza. Mas meu amor, sempre foste linda. E acho que não preciso de mencionar o nome dos rapazes que se perdiam de amores por ti e que te davam mais atenção que um bebé necessita, ou que o que eu sofri ao ouvir o que eles pensavam e nas coisas estúpidas que imaginavam, como o facto de estares a ser simpática com eles significasse que estivesses a gostar deles.

- Sim, eu entendo. Mas Edward, nota o desequilíbrio, tu és lindo, espectacular, culto e perfeito, e eu sou apenas a Bella.
- Meu amor, a Bella para mim é tudo!
Edward continuou a falar mas eu já não estava a ouvir, agora tudo tinha parado. O mundo já não existia, já não existia Edward, Renesmee ou qualquer outro objecto. Não existiam árvores. Agora só existia eu, e a presa. Cheia de sangue, que batia descompassadamente. O sangue era quente, e não devia estar muito longe porque ouvia o seu coração. Coloquei-me em posição de ataque. O coração estava mais perto, o sangue mais quente, era humano. O veneno corria-me nas veias e ardia-me na língua como pimenta. Corria cada vez mais depressa e já conseguia sentir cada batida do coração

Pum... Pum... Pum... Era humano, agora tinha a certeza, estava cada vez mais sedenta e sentia agora o chão a deslizar debaixo dos meus pés e o vento a passar-me o cabelo suavemente.

O veneno corria-me nas veias já tão rápido, que podia jurar que já não tinha veias, a adrenalina entrava pelo meu corpo encurralando o veneno que me corria nas veias.

E então vi-o.

Perseguia-me a alta velocidade com um rosto de compreensão e parei.

Olhei para ele e foquei-me, corri para abraçá-lo e enterrei-me no seu peito.
Ele suspirou e murmurou palavras de compreensão e de ‘não aconteceu nada’, e ‘conseguiste parar’, mas eu sentia-me aterrorizada com a possibilidade de se Edward não estivesse comigo naquela altura, eu teria matado, o pobre e indefeso humano. Senti-me um monstro, como Edward se descrevia quando eu ainda era humana.
Se pudesse chorar, encheria uma piscina, pois sentia-me tão mal com tudo o que tinha acontecido.
- É normal Bella, e admiro-te por teres conseguido parar, para uma recém-nascida é tão admirável e impressionante. E, olha, conseguiste manter o teu recorde – dizia ele tentando mudar de assunto.

Acabei por desistir de me sentir culpada e peguei na mão de Edward e de Renesmee e comecei a correr de volta ao prado. Durante o pequeno percurso senti-me frustrada, um monstro.

Senti-a o horror espelhado na cara de Renes, e isso fez-me sentir pior. Edward continuava a segurar-me a mãe apertando-a regularmente, para se assegurar de que ainda estava atenta ao caminho.

Chegámos ao prado e já estavam todos sentados num círculo pequeno e aconchegado. Renesmee apressou-se a largar-me a mão e correu em direcção a Jake-Lobo para o acariciar e encostar a cabeça no seu lombo.

Toda a gente me olhava, com pena de mim, do monstro que era. Que não podia estar sozinha sem ninguém a supervisionar. Sentia-me uma criança traquina de cinco anos.
- Sentimos muito Bella – começou por dizer Carlisle.
- Deves estar frustrada querida – disse Esme
- É normal Bella, lembra-te de como foi tão difícil habituar-me – disse Jasper animando-me
- Mas tu estavas habituado a comer carne... – não consegui acabar a frase.
- Talvez seja melhor passarmos a outro assunto, a Bella não deve querer falar disto, de qualquer modo, nada aconteceu. – disse Edward no seu tom frio e melancólico.

Todos acenaram e Edward chegou-se para mim e encostou a minha cabeça nas suas pernas, para que pudesse descansar. Fiquei a fazer-lhes círculos e riscos na palma da mão, enquanto ele com a outra mão me mexia numa madeixa.
Os outros falavam de onde caçar os melhores ursos e os melhores leões da montanha.

Eu e Edward olhávamos um para o outro, eu admirando a sua beleza, e observando as suas olheiras carregadas e as suas maças do rosto. Levantei a minha mãe e ele fechou os olhos. Passei os dedos nas suas maças do rosto e percorri até ao pescoço, apenas com a ponta do dedo.

 

*

 

 

- Pronto, agora que a Vie está mais descontraída vamos então tentar ver a sua reacção ao pé do Jake – disse Carlisle decidido.

Violet levantou-se decidida e aproximou-se de Jacob, com os lábios selados e com os punhos cerrados.

Jacob que agora se encontrava na sua forma humana sorriu-lhe e Violet deu um paço em frente destemida.
Jacob estendeu-lhe os braços e Violet olhou-o com ar corajoso e heróico. Estremeceu e depois deu outro passo em frente.

- Ela não consegue – murmurou Edward calmamente.

- Usa a tua cabeça – aconselhou Carlisle

Violet acenou com a cabeça, respirou fundo e deu outro passo em frente.

Agora encontravam-se a menos de um metro de distância, e a tensão instalara-se em todos nós.

- Olá, eu sou a Violet, só pela brincadeira, preciso de me descontrair – Violet sorriu-lhe
- Olá, na boa. Vá, dá me cá um abraçou sanguessuga.
Violet sorriu-lhe, deu outro passo em frente e toda a gente arregalou os olhos expectante, só faltava, como acontecia em espectáculos, toda a gente fazer <Uhhh!!!>, e colocar as mãos à frente dos olhos para não poder ver nada, a não ser aquilo que pretendiam, abrindo uma fenda nos dedos.
Mas todos nós permanecíamos quietos a olhar para Violet, que agora se encontrava a vinte centímetros de Jacob. Jacob exibia um sorriso confiante mas ao mesmo tempo sarcástico.
- Como é que vocês aguentam! – gritou Violet – Eu quero-o! Para mim! – Rugiu.
- Tenta Violet, Carlisle, é melhor intervir. – disse Jasper, preparando-se para se levantar.
- Esperem! – Exclamou Violet – Deixem-me tentar, só mais uma vez! Eu preciso de me concentrar. Por favor.

Toda a gente acenou e Edward encostou-se a um tronco, entrelaçando os dedos nos meus.
Violet olhou Jacob e sorriu-lhe.
- Cheiras mal, isso torna mais fácil – disse Violet mostrando os dentes afiados

Jacob sorriu-lhe e estendeu novamente os braços.
Violet olhou-o nos olhos, respirou fundo e pegou-lhe nas mãos.
Respirou fundo uma última vez e abraçou-se a Jacob.
Começou por ser um abraço carinhoso e leve, e depois intensificou-se, assemelhando-se a um abraço de urso que Jacob me dava.
Todos começaram a bater palmas e a dizer palavras de incentivo como ‘Muito bem’, ‘Foste óptima’, o que me fez lembrar o meu primeiro encontro com Renesmee.

Edward beijou-me e o  beijo intensificou-se, como normalmente, até que Emmett começou a tossicar e a rir-se da posição em que nos encontrávamos. Estava entrelaçada entre as pernas e os braços de Edward e depressa fiquei envergonhada e sem jeito. Edward endireitou-me e sentou-me no seu colo encostando o seu queixo no meu ombro.

- Bem, acho que podemos tentar com a Renesmee, visto que com o Jacob não aconteceu nada. E eu não vejo nada de mal a acontecer com a Renesmee e a Vie. – Sorriu Alice triunfante. Ainda ninguém conseguia perceber bem o que acontecera a Alice, mas com Jacob por perto, ela já conseguia ter visões e não existiam lacunas. Carlisle pensava ser pelo bom relacionamento que agora vampiros tinham com os lobisomens.

Toda a gente ficou tensa e a olhar para Renesmee e dessa vez fui eu que encorajei.
- Sim, vamos dar o benefício. Ela conseguiu. Renesmee, querida. Chega à mãe por um instante.

Eu já me encontrava em pé e Renesmee correu na minha direcção.

- Estás pronta? – perguntei a Violet. Violet acenou com a cabeça.

Pôs se de joelhos no chão e Renesmee correu para ela.

Violet cheirou-a e disse:

- Cheira bem. – Toda a gente se levantou. – Mas não a comeria. Acho que ela é mais para apreciar do que propriamente comer.

- Olá tia. – Disse Renesmee na sua voz cristalina e agradável.
- Esta criança é adorável – disse Violet baloiçando-a no ar.
- Acho que ela consegue se conter. Além de que uma boa caça, chega para controlar a sede por uma semana. – afirmou Edward
- Edward, não te esqueças que ela só tem três meses – relembrei-lhe – Os recém-nascidos precisam de mais sangue.
- A Bella tem razão. Mas também qualquer coisa, a Violet vai caçar sozinha pelos arredores – só de pensar no descuido que ela poderia ter, arrepiei-me.

- Bem, acho que podemos regressar a casa. – Afirmou Esme – não se esqueçam que amanhã é a reunião sobre a festa do Edward e a Alice fica desiludida se alguém ficar!
- Claro que fico! É a festa do ano! – relembrou Alice com os olhos arregalados de felicidade.
- Não exageres Alice! – Rugiu Edward.
- Ainda não percebi qual é o vosso drama com uma simples festa! Aliás, só se faz anos uma vez por ano! E temos de festejar, mais um ano do meu irmão. Além de que não têm de se preocupar com nada. Eu trato de tudo. A reunião é apenas para ajustar alguns padrões, enviar convites, preparar charadas humanas, como comida e...
- Quem é que vem que seja humano? – Perguntei de olhos arregalados.
- Quem? O Charlie, a Renee, o Phil, além deles, ainda vem a Jessica e a Angela, que estam cá a passar férias de Verão. – Abri a boca em forma de espanto – mas deixa-me continuar! Os Denali vêm, já os convidei por telefone, mas quero mandar o convite mais formal. Preciso de super ajuda da Violet, que tem super jeito para decoração, porque temos de fazer uma pista de dança na sala. E temos de por umas sinalizações, para ninguém se enganar no sítio da casa...
- Sim porquê ninguém pode faltar! – disse Edward ironicamente tentando imitar a voz de Alice.
- Exactamente maninho. Ninguém pode faltar.
- Acho que já tivemos o resumo suficiente da seca... – Alice deitou a língua de fora a Emmett – ... à agitação, quero eu dizer, que vai ser amanhã à noite. Acho que chega.
- Ok, então acho que podemos ir embora. – disse Edward. Vamos Renesmee.

- Amor. - Disse eu – A Renesmee vai dar um passeio com o Jacob. Ele leva-a a casa mais tarde.

Jacob acenou com a cabeça e Edward acenou também, afirmativamente.

- Então, e agora? Onde vamos nós? – perguntou Edward passando as mãos pela minha cintura.
- Gostava de ver o Charlie, quer dizer. Ele deve ter saudades.
- Sim, parece-me bem.
- Hoje, posso levar-te às cavalitas, princesa? – Disse Edward fazendo o gesto de príncipe.
- Claro que sim menino Cullen.
Edward puxou-me e começou a correr pelo campo, na direcção contrária à que tínhamos vindo.

Durante todo o caminho fui lhe mordiscando a orelha e beijando-o no ombro até que ele barafustou:
- Tu és inacreditável! Estás-me a deixar louco! Queres que bata contra uma árvore. Não me consigo concentrar!
- Ok, ok eu paro! – Disse-lhe de modo carinhoso.
- Não pares! – Disse-me constrangido.
- Bem, decide-te! Queres que pare, ou que continue.
- Portanto, põe as coisas desta maneira. Se quiseres que vá contra uma árvore – partindo do princípio de que a árvore é que se aleija – podes continuar, se quiseres que continue em mim próprio, pára! – Disse-me ele na brincadeira.
- Ok, eu respeito a natureza, e até tenho pena da própria árvore – comecei por dizer – mas, vamos ter de bater nela. Porque eu não paro.
Ao ouvir estar palavras, Edward passou-me das cavalitas para o seu colo e começou a andar mais devagar.
- És pior que as crianças – disse-me a brincar.
- Mas consegui o que quero! – Resmunguei entre dentes.
- E o que é que tu queres? – Perguntou-me como se não percebe a minha afirmação.
- Quero-te a ti. – Respondi envergonhada.
Edward deitou-se no chão e eu fiz o mesmo, larguei-lhe a mão que estava entrelaçada na minha e coloquei-a em cada um dos lados do seu tronco. Subi ao pé dele e procurei os seus lábios. Assim que se uniram, começou por ser um beijo, como todos os outros, mas sempre diferente, e depois, entusiasmamo-nos e o beijo ficou ansioso e nervoso. Larguei uma das mãos e encostei-me ao seu tronco. Com a outra mão, tentei desapertar os botões da sua camisa.
- Bella, podes parar de tentar tirar-me a camisa? – perguntou ele erguendo o sobrolho.
- Porquê? – perguntei eu sobressaltada – Queres ser tu a faze-lo? – Perguntei-lhe em tom de brincadeira.
- Que engraçadinha – soltou uma gargalhada abafada entre beijos – Digamos que não é o sítio mais indicado...
- Digamos que contigo, não existe ‘sítio’, apenas tu. – disse-lhe numa tentativa falhada de ser sedutora.
- Meu amor, de certeza que não vais queres que algum cão nos veja... – de repente fiquei séria e Edward riu-se da minha expressão. – Vamos lá visitar o Charlie!

- Sim, sim é melhor. Mas espera... – Edward já se estava a levantar
- Diz? – perguntou com ar curioso
Cheguei-me a Edward e beijei-o, até que ele me afastou delicadamente, para me avisar que a hora do almoço se estava a aproximar, e que eu devia preparar o almoço para Charlie.

Levantei-me contrariada.
- Porque fui eu ter esta estúpida ideia. O Charlie podia esperar até amanhã! – Disse sorrindo-lhe.
- Agora que deste a ideia, já fiz o plano para o dia! – Resmungou Edward.
- Ok, ok. Vamos lá, de qualquer maneira o Charlie deve querer almoçar algo de jeito.
- Vamos lá – disse Edward dando-me um beijo rápido nos lábios.

Demos as mãos e voltámos a correr, de volta à rota destinada

***

 



Carolina às 21:13 | link do post | comentar

16 comentários:
De Soraia a 2 de Abril de 2010 às 22:13
"Se quiseres que vá contra uma árvore – partindo do princípio de que a árvore é que se aleija – podes continuar, ..." Hahahahah...
Adorei esta parte!! xD

Continua ;D


De Dc @ a 3 de Abril de 2010 às 01:53
Eu também adorei essa parte, xD

Está fantastica Sofia, parabens ^^
Continua (:


De SofiaAlexandra@ a 4 de Abril de 2010 às 23:39
Obrigada queridas :)



De Catarina Ribeiro a 2 de Abril de 2010 às 22:33
Amei :3


De renata a 2 de Abril de 2010 às 22:51
simplesmente maravilhoso. :)


De CC18 a 3 de Abril de 2010 às 00:40
LINDO! Já tinha saudades, obrigada por postarem, estava a precisar! Está tão lindo, descreve tão bem a relação deles....
Beijinhos, vou ler outar e outra vez!!!!
Feliz Páscoa!!!


De MargaridaP a 3 de Abril de 2010 às 00:54
Mais uma vez parabens à autora e obrigado TP!! já tinhamos saudades!! Bem, a proxima podia ser da Margarida!!

Beijinhos


De SofiaAlexandra@ a 4 de Abril de 2010 às 23:41
Feliz Pascoa !


De CC18 a 4 de Abril de 2010 às 01:12
Está linda como disse já, mitos parabens pela maravilhosa fanfic.
Uma coisa que acho engraçado é que quase sempre que escreves a palavra "mão", escreves "mãe" em vez de "mão", mas mesmo assim continua magnifico!
Muitos beijinhos,
CC18.


De SofiaAlexandra@ a 4 de Abril de 2010 às 23:41


Olá C.C

Nos meus próximos capítulos, vou tentar ter mais atenção a esse erro :b

Obrigada por gostares :P

Boas Leituras :P


De SofiaAlexandra@ a 4 de Abril de 2010 às 23:42


Carolina,

Diz me quando posso enviar mais capítulos, e para que e-mail.

Beijinhos

Sofia Antunes


De Carolina a 4 de Abril de 2010 às 23:46
Olá querida,

Hum, eu enviei-te um email :x só se mudas-te de email..

Bem, mandas o mais rápido que puderes para inaguimaraes@hotmail.com, por favor.

Beijinhos,
Carolina


De SofiaAlexandra@ a 5 de Abril de 2010 às 20:21


Olá Carolina ! Vou ja te enviar!

Desculpa, mas a minha caixa de correio está um pandemónio e não consigo achar nada no meio de 300 mensagens nao lidas!

A minha vontade é mandá-las todas fora, e sinceramente, acho que é isso que vou fazer! Beijinhos


De káta a 6 de Abril de 2010 às 13:41
adoro esta fanfic!!! é a minha preferida. esta sempre mt criative e romantica!! Adoro!

káta


De SofiaAlexandra@ a 8 de Abril de 2010 às 13:54


Obrigada querida!

Boas Leituras


De ana rita a 8 de Abril de 2010 às 21:54
adoreiii!!! espero ke voltes a postar muito rápido!!!
Está mmuuuuuiiiiiiiiiiittttttooooooo boaaa!!!!
E...parabens!!


Comentar post

status

Online desde:25.04.2008

Staff: And e Carolina
Layout: Missanga Azul
em todos os momentos twilight


Já nos deste o teu like?
pesquisar neste blog
 
Links vários
comentários recentes
Tinha de vir aqui a este cantinho, finalmente o Mi...
A primeira imagem certamente está "quebrada", e pa...
Sobre os Talentos especiais de Alec: ele tem um V...
Você ainda a tem? Se sim, poderia me enviar? model...
Olá. Estou a procura de uma fanfiction que vocês p...
Aproveito só que está esteve a dar breaking dawn n...
Pelo que eu vi da entrevista, o Rob foi irônico ao...
Casamento lindo, me lembrou muito o casamento da B...
Meu sonho encontrar ele assim
Casal mais lindo

Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


2003:

 J F M A M J J A S O N D


2002:

 J F M A M J J A S O N D


2001:

 J F M A M J J A S O N D


2000:

 J F M A M J J A S O N D


1999:

 J F M A M J J A S O N D


1998:

 J F M A M J J A S O N D


1997:

 J F M A M J J A S O N D


1996:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds